Antienvelhecimento

Antes, vamos definir envelhecimento como um processo natural que faz parte do ciclo de todos os seres vivos.
Do ponto de vista estritamente fisiológico é uma evolução global, caracterizada com a perda progressiva das propriedades e funções que aparece com o decorrer do tempo, e com mudanças do aspecto físico que se inicia a partir dos 30 anos. Começamos a envelhecer desde que nascemos e esse processo se intensifica quando nos custa executar nossas tarefas. Em certas culturas a velhice chega quando não se é útil fisicamente, em outras, os mais velhos são como fonte de sabedoria e decisões familiares contam com o conselho do idoso. A imagem do envelhecimento está associada à sociedade em que vivemos.
A genética representa 25% da longevidade e causas externas como estresse, fumo, contaminação atmosférica, dos alimentos e da água, radiação solar, sedentarismo, excessos alimentares e o abuso do álcool, como múltiplos inimigos que atacam.
Em 1993, dois médicos americanos, Ronald Klatz e Robert Goldman, criaram em Chicago, a A4M (American Academy of Antiaging Medicine). Vivendo nos Estados Unidos na época, passei a freqüentar os congressos em Las Vegas, e logo cheguei à conclusão de que eles preconizavam o enfoque do meu atendimento há mais de 20 anos. Confirmei minhas teorias anteriores e segui em frente no meu trabalho.
E o que é ANTIENVELHECIMENTO? É uma ciência multidisciplinar, pois engloba todo profissional da área de saúde que objetiva minimizar todos os fatores secundários de envelhecimento, procurando como fórmula uma melhor qualidade de vida. A tecnologia moderna prolonga a vida, é a longevidade, mas a qualidade de vida somos nós que buscamos. Esta ciência tem tido uma crescente procura, pois permite antecipar o futuro aparecimento de possíveis doenças como diabetes, aterosclerose, infarto, AVC, doenças degenerativas como Alzheimer ou câncer. Não é fórmula milagrosa, mas sim um compêndio de normas saudáveis, adaptadas individualmente, visando a prevenção de doenças, retardando os processos de oxidação celular e da glicogenação das proteínas do organismo que constituem na atualidade as principais teorias do envelhecimento. A oxidação se faz através de radicais livres de oxigênio, enquanto que a glicogenação, ou gicação das proteínas, explica o envelhecimento metabólico pela combinação dos radicais livres glicosil (da glicose) quando esta está elevada no sangue, mesmo que seja após as refeições.
O processo se inicia pela avaliação da relação de idade cronológica com a biológica. Antes de se estabelecer um programa é preciso a avaliação clínica meticulosa, da análise de laboratório, dos exames de imagem, da pesquisa de marcadores protéicos e genéticos, da avaliação hormonal, de intolerância alimentar, o detalhamento dos hábitos de vida atuais e anteriores e da predisposição familiar à determinadas doenças.
Os pilares do ANTIENVELHECIMENTO são: dieta equilibrada e individualizada, atividade física adequada, programas para reduzir o estresse como meditação, que pratico e preconizo há mais de 20 anos, a sintonia do ambiente hormonal, a suplementação de vitaminas e minerais, queleção, gerovital e o reforço da auto-estima. Com orientação médica a redução ou retirada de qualquer tipo de droga.
Bastante úteis também as técnicas de estética que já praticamos há mais de duas décadas. Na Estética Médica, contamos com o uso da toxina botulínica, dos preenchimentos da intradermoterapia e da carboxiterapia, bastante conhecidas pelos europeus e recente entre nós e que tenho utilizado com excelentes resultados.
O envelhecimento é um processo natural e inevitável, mas podemos retardá-lo com um programa sob supervisão médica.
O mais importante é você se sentir bem dentro da sua própria pele!

Imprimr esta página